quinta-feira, 2 de junho de 2011

Casal Gay Vai ter Filhos

Poderíamos passar o dia demonstrando, através do noticiário, que esta é uma decisão irreversível!
Tenho percebido tanta discussão e questionamentos sobre valores religiosos, culturais, sociais, etc. Mas poucos comentários sobre a necessidade da criança!
Sim, a criança! Parece que ela é um segundo plano dentro de uma batalha para quebrar paradigmas. Ela parece apenas um subproduto da vaidade e arrogância humana!
Não seria hipocrisia querer impedir que qualquer que seja a pessoa, sua cor, religião, cultura, definição sexual, possa cuidar e amar uma criança?
Pois o que importa não são os valores éticos e morais, e o equilíbrio mental, como parâmetros para a adoção?
Quantos pais heterossexuais já não perderam a guarda de seus filhos por lhes faltarem estes princípios e até coisas piores?
Pois para uma criança jogada nas ruas e catando lixo para comer, ou assaltando para comprar drogas, ou tratada como número e institucionalizada, certamente não fará diferença quem vai adotá-la e proporcionar roupa limpa, cama quente, alimento equilibrado, saúde, estudo, enfim cuidados, amor e acolhimento!
Quem é contra a adoção por quem quer que seja, ainda que possua as qualidades básicas para a adoção, seria capaz de assumir seu discurso, adotando esta criança que vai ficar sem lar?
Filosofia sempre foi importante e eu valorizo, mas ela pouco pode fazer para desviar alguém de um projétil durante uma guerra.
E nós estamos vivendo esta guerra, em que “poucos podem tudo e muitos podem nada”. E a terra está sendo semeada de pequenos seres, nosso futuro, jogados e abandonados a própria sorte!
E nós o que podemos fazer?
Quem já foi em um orfanato e se sentiu o próprio cacho de uvas de tantas crianças penduradas disputando seu colo, seu toque, seu calor, seu amor? E sem ao menos elas terem te conhecido uma vez na vida?
É uma experiência terna e chocante. E chocante também são os o lixões, as drogas, os trapos sob pontes,...
Podemos debater, mas não vamos ficar divorciados da “verdadeira” realidade!

30 comentários:

  1. Bom dia Flora!
    Parabéns, Bem elaborado e útil texto.
    A hipocrisia aliada a burocracia, e o caos aos nossos órfãos
    Acompanhei de perto, o sofrimento de minha irmã para adotar uma criança. Após anos de espera, Só agora ela pode dar um lar a um deles.
    Crianças já convivem com gay lésbicas na família(irmãos, pais avós, blá-blá.) e são amadas por eles, ou não. Crianças são cuidadas só por pais, ou só por mães, ou por outros. sem alterar em nada opção sexual das mesmos
    E uma estupidez tamanha as discussões em torno disso.
    Fica valendo a prioridade da criança. como vc mesma citou. Amor,lar, entre outras.

    Um abraço pessoa de luz. Exelente dia.
    Dil* (moldandofatos)

    P.s não consigo postar com minha conta está dando erros.

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga Seletiva!
    Obrigada por contribuir com suas colocações.
    De fato existem crianças convivendo com os mais diferentes tipos de pessoas.
    Que muitas vezes são éticas, gentis e responsáveis, mas também podem ser verdadeiros monstros com diuturnamente nos revela a imprensa.
    E a bondade ou a maldade nestes casos não fez distinção sexual, cultural, ou religiosa, etc.
    Foi apenas a expressão na natureza humana que se manifestou.
    Existem pessoas “melhores” e “piores”.
    E o que importa para uma criança é poder estar sobre os cuidados de uma pessoa “melhor”, independente que qualquer conceito sociocultural.
    Obrigada pelo carinho.
    Um grande abraço e bom fim de semana!
    Flora.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Flora. Mais uma visita deste Caiçara bocudo ao seu espaço. Lá no meu, eu respondi seu comentário e paguei um "mico"...tipo assim...este véio sem noção rsrs...disse que se deliciou pela "sua" postagem "Geração Y", mas só agora nessa nova visita é que esse cegueta percebeu que a postagem é de autoria da sua companheira de "blogagem"...tô perdoado? Tô né? rsrs.
    De vez em quando estarei por aqui, e sem "micos" rsrs, e sinceramente nem acho que preciso comentar algo sobre o tema do presente artigo, já que você "disse tudo". Como já cansei de soltar em "meus raios" e até plagiando Ziraldo: A sociedade está débil mental!

    Um abração à você, a sua companheira de blogagem, e mais uma vez obrigado pelas palavras!

    Alexandre.

    ResponderExcluir
  4. Meu querido amigo Alexandre!
    Não pude deixar de rir com teu comentário, mesmo porque aqui só podem pagar “micos” Andréa e eu, pois somos as rainhas dos “macaquitos” e ainda aprendendo a arte de ”blogar “kkkk.
    Vivemos em cidades diferentes, mas temos a mesma sintonia, assim que qualquer referência a qualquer artigo serve para as duas... tipo assim..., é....gente assim...tipo madura... Kkkk
    O artigo “Geração Y” realmente é inspirador.
    Quanto a este realmente temos muito que aprender e amadurecer!
    E você volte sempre e sinta-se em casa!
    Até para contar com a gente para alguma coisa, assim como sei que poderemos contar com você.
    Um grande beijo e obrigada pela visita.
    Flora e Andréa.

    ResponderExcluir
  5. ...morando debaixo de uma ponte,num lar de drogados,catando em lixões,pelos semáforos... - mas onde fica o ESPELHO?porque a preocupação maior deve ser realmente com as crianças!

    ResponderExcluir
  6. Flora, um texto muito bem explanado e bem opinado.
    Comungo contigo as ideias...
    Não vou entrar no mérito da questão em si,pois poderei ser até processada KKKK), mas a sociedade perdeu seus parâmetros e nossos pequeninos virarm objetos de luxo!
    Durante muito tempo dei aulas para crianças de 4 a 7 anos e as coisas que se ouvia dentro das salas de aula...
    Nossos pequeninos são belos e maravilhosos... verdadeiras pérolas que estão sendo deformadas por conta das incoerências dos adultos...
    Bravo!!! Aplaudo-te em pé!

    ResponderExcluir
  7. Querida Malu!
    Obrigada pelo comentário!
    Realmente, só que convive de perto, em instituições públicas ou particulares, pode dimensionar a gravidade desta realidade.
    Recebemos pequenos anjos que são dilapidados e transformados ao bel prazer dos adultos que lhes transformam em grandes homens ou monstros!
    Precisamos alertar e conscientizar esta realidade de todas as formas possíveis.
    O futuro da humanidade esta na mão destes pequeninos.
    Valeu pelo apoio.
    Beijos e um grande abraço.
    Flora.

    ResponderExcluir
  8. Querido amigo Internauta do Amor!
    Não sei se compreendi bem tua colocação!
    Mas sei que nossa preocupação e cuidados devem ser amplos e abordando todos os temas de nossa realidade como, a agressão à mulher, os desmandos políticos, o descaso com a natureza, a falta de assistência aos doentes físicos e psíquicos, enfim temos um leque muito grande.
    Alguns até já foram abordados neste espaço.
    E agora tratamos da criança, que é à base de nossa futura sociedade e que por ser frágil e indefesa necessita de nossa proteção, cuidados e muito amor.
    Um grande abraço e obrigada pela participação!
    Flora.

    ResponderExcluir
  9. La amistad es un verdadero tesoro que en nuestro corazón debemos resguardar de esas malas intenciones, de ese dudar…
    La amistad no entiende de razas, ni de distancias, ni de estatus social, la verdadera amistad se forja cada dia, regándola con la verdad…
    Por mucho que nos duela el verdadero amigo nos dira lo que no quisiéramos escuchar, no es para herirnos ,al contrario, es para nuestro buen camino encontrar…
    La amistad es duradera siempre que la cuidemos como se merece, sin dar la espalda a ese amigo/a… puede que veamos que los problemas en vez de hacerse pequeños, se engrandecen pero si los compartimos con un amigo/a conseguiremos que estos se esfumen y desaparezcan…
    Reír por los logros de un amigo, llorar por el dolor de esa amistad, creer ante todo en esa persona, aunque ella misma deje de creer en si misma.
    Encender una lucecita con una sonrisa cuando se pierda en la oscuridad…no soltarle de la mano cuando no consiga su camino hallar estar pendiente de su necesidad de desahogo, estar ahí en silencio y sus problemas e ilusiones con atención compartir y escuchar.
    Saber que tienes en la distancia una amiga, aunque no la puedas ver ni tocar, la distancia puede parecer enorme, sí la medimos en kilómetros pero no lo es tanto si la mides con tu alma, mírala con atención, en ella encontraras el consuelo de que no estas sola, qué alguien vela por tu felicidad, alguien por ti se preocupa y te piensa, ésa es la verdadera amistad.

    Eres una verdadera amiga y te quiero por ello..
    Siempre tenlo presente

    ResponderExcluir
  10. Querida amiga Victoria!
    Fomos agraciadas com teu lindo texto que exalta o valor da amizade. Saiba que também poderás contar aqui com amigas que superam fronteiras para estabelecer vínculos de trocas, carinho, respeito, estima e parceria.
    Teu trabalho é um belo exemplo de quem ultrapassa os limites de si própria para demonstrar amizade e cuidado com todo o tipo de fragilidade humanas e animais.
    Sua defesa pela vida é um belo exemplo a ser seguido, pois rompe a barreira do preconceito, luta pela justiça e ama a todos com entrega e sem exigências.
    É um grande presente tua presença inspiradora em nosso espaço e um grande estimula para nosso trabalho.
    Obrigada pela mensagem e um grande e afetuoso abraço desta amigas brasileiras.
    E pode contar que estaremos presente!
    Flora e Andréa!

    ResponderExcluir
  11. Não tenho qualquer preconceito com relação a esse tipo de adoção. As crianças não têm maldade, censura, policiamento... e só desejam amor. Que tolice pensar que casais não heteros não tem condições de educar e fazer feliz seus filhos!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Oi Marilene!
    Obrigada por contribuíres com tua opinião.
    E também é importante saber que mais pessoas priorizam o bem estar de uma criança do que a sexualidade de quem vai adota-la.
    Um grande abraço.
    Flora.

    ResponderExcluir
  13. Boa noite Flora,
    excelente texto. As leis deste nosso País precisão
    ser reformuladas em todos os aspectos.
    O preconceito existe e tem que mudar. Muitas
    pessoas que são homossexuais têm mais capacidade
    de criar e dar educação adequada e amor a uma criança do que as heterossexuais.
    A criança não vê se os pais são hetero ou homo, vê
    sim, o amor, a atenção e o carinho.
    Vejo pela televisão crianças sendo maltratadas, jogadas fora; fico indignada com as autoridades ao verem tal atrocidade e não tomarem nenhuma providência.
    O estatuto da criança e do adolescente, a meu ver,
    está só no papel.
    Parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir
  14. Querida Claudine!
    Obrigada por sua participação neste tema tão polêmico, quando nem deveria ser!
    Nestas ultimas semanas só se falava e debatia sobre isso, como se a sexualidade fosse definir os bons ou maus pais!
    Ou como ser honrado, digno, saudável, integro, trabalhador, amoroso, tivessem deixado de serem os valores mais importantes para a adoção.
    Mas e os menores abandonados, a desigualdade financeira, cultural e social?
    As autoridades tem muito que fazer!
    Mas a população também precisa parar e rever seus conceitos para decidir sobre “prioridades” e não sobre tabus ou conceitos que nem sempre são próprios.
    Um grande abraço.
    Flora!

    ResponderExcluir
  15. Pobre criança... é o fim!!!

    ResponderExcluir
  16. Querido Anônimo!
    Concordo contigo!....
    Para esta criança será o fim... Da fome, da sujeira, do abandono, dos maus tratos, da indiferença, da ignorância, da escuridão no fim do túnel. Etc.
    Ela poderá em fim ter alguma esperança!
    Um abraço!
    Flora!

    ResponderExcluir
  17. a criança vai sofrer bullying na escola

    ResponderExcluir
  18. isso é o pior ,querer justificar um novo erro com velhos erros.

    ResponderExcluir
  19. Querido Anônimo!
    Realmente o tema “Bullyng” tem sido alvo de muitos comentários ultimamente e com certeza seria um bom tema para outro artigo.
    Mas sinteticamente poderíamos dizer que bullyng refere-se qualquer tipo de abuso contínuo, físico ou verbal, com a intenção de ferir, onde existe um desequilíbrio de poder entre o bully e a vítima. Nestes atos estariam incluídos apelidos, discriminações sociais, raciais, físicas, e de toda sorte. É um comportamento que já existia desde os tempos de nossos avós, mas parece haver piorado ou vem sendo mais exposto pela agilidade da informação.
    Seja como for é um comportamento que não se restringe a sexualidade, mas relaciona-se melhor ao comportamento covarde de quem esconde sua inferioridade, jogando sua pequenez sobre outra pessoa. E não são apenas as crianças que praticam este tipo de perversidade, pois muitos adultos também o fazem.
    Assim, que voltando à colocação do amigo não podemos iniciar uma discussão a respeito de uma suposta “adoção” da criança e sua possível exposição ao bullyng, pois demonstraria nossa tendência para tal comportamento. O qual deve ser combatido e erradicado da sociedade.
    Um grande abraço!
    Flora!

    ResponderExcluir
  20. Querido Luan!
    Não sei se compreendi bem sua colocação!
    Talvez você queira dizer que a adoção de uma criança por um casal gay, seria um erro em função de um erro antigo de abandono?
    Caso tenha sido esta a intenção, e se não for me desculpe, não consigo entender como erros a vontade, o desejo e a capacidade da amar, assim como erro a indiferença, a crueldade, a brutalidade.
    Acredito que a melhor comparação poderia se entre saúde,
    honra, ética, princípios, e seus opostos, doença, hipocrisia, etc.
    Espero ter podido lhe responder!
    Um fraterno abraço!
    Flora!

    ResponderExcluir
  21. Queridas Andréa e Flora!
    Primeiro o agradecimento pela visita ao meu humilde Posts à Beira Mar.
    Adorei o blog de vocês. Belo design, belos textos, bastante informações. Legal mesmo. Parabéns.
    Beijo carinhoso a ambas!

    ResponderExcluir
  22. Querido amigo Milton!
    Na realidade foi um prazer “bisbilhotar” teu nada humilde Blog. Ele é maravilhoso! Alegre, acolhedor, agradável e com uma variedade fantástica de temas dos mais variados, importantes, e que despertam o interesse!
    Agradecemos teus comentários sobre nosso blog, principalmente porque partindo de ti crescem em importância.
    Beijos!
    Flora e Andréa!

    ResponderExcluir
  23. Olá amiga Flora, já estou aqui seguindo...achei lindo esse seu espaço muita coisa interessante para ler..

    Você está seguindo meu blog PARAVRAS AO VENTO;
    Te convido a conhecer meu outro e pricipal blog:
    http://despertardocoracao.blogspot.com/

    Beijos e felicidades,
    Anna.

    ResponderExcluir
  24. Querida amiga Anna!
    Já passei pelo seu espaço e ele está realmente muito bonito e valeu a pena o passeio.
    Um grande abraço e sucesso!
    Flora!

    ResponderExcluir
  25. Amiga e Colega Flora

    Acabo de visitar o seu Blog e fiquei impressionado com o conteúdo que encontrei! Um belo serviço prestado!

    Beijo
    com admiração e respeito
    José Manuel Brazão

    ResponderExcluir
  26. Querido amigo José Manuel.
    Fiquei muito honrada com tua presença e comentários e por considerar-me uma colega.
    Não sei se mereço tanto!
    Estive visitando teus espaços e me embriaguei de beleza, arte, sensibilidade e poesias arrebatadoras.
    Obrigada pelos elogios e parabéns por seu lindo trabalho.
    Também contas com minha admiração e respeito.
    Um abraço carinhoso!
    Flora!

    ResponderExcluir
  27. Ficamos felizes com sua visita ao Nit Portal Social, Flora, a página de Responsabilidade Social da internet. Agradecemos por seu comentário!
    Temos como objetivo através de nossos artigos conscientizar pessoas, agregar valores, fazer novos amigos e divulgar trabalhos sérios desenvolvidos por entidades sociais.
    Que possamos somar a força do BEM e trocar experiências e informações.
    Um forte e fraterno abraço,
    Ana POrto/Sergio Honorato
    http://www.nitportalsocial.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Queridos Ana e Sergio!
    Não é preciso agradecer nosso interesse pelo espaço de vocês, pois é um prazer e obrigação conhecer e incentivar qualquer causa que lute pelos direitos humanos, pela melhor dignidade de uma pessoa e pelo estimulo a melhorar a qualidade de vida.
    Quando lidamos com informação e público, precisamos ter em mente nossa responsabilidade moral e social.
    Sentimos sinceridade e seriedade no espaço de vocês.
    Também acreditamos que devemos unir as forças do bem e do amor e com isto contribuir de alguma forma para uma sociedade melhor, mais justa e tolerante.
    Um grande abraço e sucesso!
    Flora e Andréa.

    ResponderExcluir
  29. É um assunto serio demais e concordo, integralmente, com você: as necesidades das crianças devem vir em primeiríssimo lugar. Ninguém, em sã consciencia, pode (ou deveria) achar que a rua ou os abrigos superlotados podem ser lugares melhores do que um lar, seja ele como for. Isso, sem contar o fato de que, aos 18 anos, os jovens devem deixar os abrigos, tenham ou não para onde irem.
    Não sou a favor do homossexualismo, mas sou a favor de se respeitar o livre-arbitrio de quem quer que seja.
    Afinal a opção sexual de cada um não caça os direitos civis individuais e inalienáveis.
    Quando eu me posiciono contra a pl 122, por exemplo, estou sendo contra a cassação dos meus direitos civis inalienaveis de pensar e externar os meus pensamentos, porque é isso que o texto da pl 122 prega. Vejo, nos defensores da pl 122, a mesma violencia e preconceito em relação aos que pensam diferente deles, que eles veem nos seu opositores. E é contra este preconceito e violencia que luto.
    Mas, não há como negar que TODOS tem direitos civis, que devem SEMPRE ser respeitados.
    E quando se fala em crianças, TODOS têm que se mobilizar para dar-lhes pelo menos um futuro, coisa que nas ruas certamente elas não terão.
    Muito bom o texto, Flora.
    Bjs, minhas queridas.

    ResponderExcluir
  30. Querida amiga Gisele!
    São comentários como o teu que enriquecem a reflexão, pois não importam de onde venha ou de quem seja todos devem ter seus direitos respeitados.E o respeito também a livre expressão!
    E tua explanação foi clara e perfeita. Demonstrando equilíbrio e bom senso.
    Obrigada por enriqueceres nosso questionamento.
    Um grande abraço!
    Flora e Andréa!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós.
Participe.