domingo, 29 de maio de 2011

Geração Y- "Tipo Assim..."- Por: Fernando Veríssimo


Tipo assim... Foi preciso fazer uma correção sobre a autoria deste artigo, veja o vídeo desta crônica e conheça seu autor.

“Tipo Assim...”
Tô ficando velho!       
 Um dia destes, às 2 da manhã, peguei o carro e fui buscar minha filha adolescente, na saída do show do Charlie Brown Jr.
Ela e as amigas estavam eufóricas e eu ali, meio dormindo, meio de pijama, tentei entrar na conversa.
"E aí, o show foi legal ?"  A resposta veio de uma mais exaltada do banco de trás: "Cara! Tipo assim, foda !"  E outra emendou: "Tipo foda mesmo !"
Fiquei tipo assim, calado o resto do percurso, cumprindo minha função de motorista.

Tô precisando conversar um pouco mais com minha filha, se não, daqui a pouco, vamos precisar de tradução simultânea.

Pra piorar ainda mais, inventaram o Messenger, essa praga da Internet, onde elas ficam horas e horas escrevendo abobrinhas umas pras outras, em código secreto que não leva a absolutamente NADA.

Tipo assim:  "kct! vc tmb nunk tah trank, kra. Eh d+, sl. T+ Bjoks. Jubys".

Em português: "Cacete! Você também nunca está tranqüila, cara. É demais, sei lá. Até mais, beijocas. Jubys". Jubys, que deve ser pronunciado "diúbis", é isso mesmo que você está imaginando, a assinatura.

Só que o nome de batismo é Júlia, um nome bonito, cujo significado é "cheia de juventude", que eu e minha mulher escolhemos, sentados na varanda, olhando a lua...

Pois, Jubys, é hoje, essa personagem de cabelo cor de abóbora, cheia de furos na orelha, um monte de arames na cara mais parecendo um bicho, sem falar nas malditas pragas das tatuagens que tanto marginalizam os jovens.  

Tô ficando velho!

A cultura cinematográfica dos jovens de hoje varia entre a "obra" de Brad Pitt e a de Leonardo de Caprio.

Há anos tento convencê-las a ver "Cantando na Chuva",  mas, sempre fica para depois.

Um dia, cheguei entusiasmado em casa, com a fita de um filme francês que marcou minha infância: "A guerra dos botões".

Juntei toda a família para a exibição solene e a coisa não durou nem 5 minutos !  

O guri foi jogar bola, Jubys inventou "um trabalho de história sobre a civilização greco-romana que tem que entregar, tipo assim, até amanhã, se não perde ponto"

E até minha mulher, de quem eu esperava um mínimo de solidariedade, se lembrou que tinha um compromisso com hora marcada e se mandou.

Fiquei ali, assistindo sozinho e lembrando do tempo em que eu trocava gibi na porta do Capitólio.

Uma amiga me contou que o filho de 10 anos ficou espantado, quando viu um telefone de discar.

Sabe, telefone de discar?  É, tipo assim, um aparelho sem teclas, geralmente preto, com um disco no meio, todo furado, onde cada furo corresponde a um algarismo.

Você enfia o dedo indicador no buraco correspondente ao número que precisa registrar, gira o negócio até uma meia lua de metal e solta a roleta, que, lá por dentro, está presa a uma mola e faz ela voltar à sua posição inicial.

Esse aparelho serve para conversar com outra pessoa, como qualquer telefone comum, desde que esteja, é claro, conectado na parede.

Eu sou do tempo em que vidro de carro fechava com maçaneta. E o Fusca tinha estribo e quebra vento.

Há pouco tempo, João, meu filho de 8 anos, pegou um LP e ficou fascinado! Botei pra tocar e mostrei a agulha rodando, dentro do sulco do vinil.

Expliquei que aquele atrito gerava o som que estávamos escutando...

Mas aí, ele já estava jogando o Pokemon Stadium, no Game Boy.

Não é que ele seja desinteressado... eu é que fiquei patinando nos detalhes.

Ele até que é bastante curioso e adora ouvir as "histórias do tempo em que eu era criança".

Quando contei que a TV, naquela época, era toda em preto e branco, ele "viajou" na idéia de que o mundo todo era em preto e branco e só de uns tempos para cá as coisas começaram a ganhar cores.

Acho que, de certa forma, ele tem razão. “Tipo assim”...
A dúvida que me corrói é: “cara”, será que nosso país tem futuro com jovens “Tipoassim...”

Tipo FODA????...   
 
E você? Tipo assim... É do tempo do Fusca, do telefone discado e do LP?

Tipo assim... Fala aí!!!!!

           

28 comentários:

  1. KKKKKK... Acho que tô ficando velha também... Tipoassim, sou do tempo do LP, do fusca com estribo e quebra vento, do telefone com disco... rsrsr
    E só tenho 29 anos...
    Mas heim, o mundo realmente mudou muito nos últimos 20 anos e tem mudado cada vez mais rápido...
    Smcaks no coração.

    ResponderExcluir
  2. Oi Marine, obrigada pele visita.
    É...realmente as mudanças estão cada dia mais aceleradas mas, não me diga que você na flor dos 29 aninhos se sente velha? rsrsrrs, o que você deixa para mim com 40 e alguns? kkkkkkkk. Nem vou lhe falar das coisas da minha época... é melhor deixar isso para o Veríssimo contar.
    Um Beijão.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkk tipo assim muito engraçado seu relato é assim mesmo dai pra pior rsrsrs!!

    ResponderExcluir
  4. Querida Andréa,

    Que texto delicioso! Adorei! Acho que as coisas estão meio tipo assim... confusas, né! rs...

    Acho que sempre vai existir esse choque de gerações... os mais jovens tem sua maneira própria de se comportar e de se expressar e, desde que não estejam fazendo mal a si mesmos ou aos outros, devemos respeitar.

    Eu também já fui jovem e falo gíria até hoje, só que a minha gíria é diferente da gíria que meu filho fala... rs..

    Eu adorava usar umas roupas muito loucas quando tinha a idade dele e hoje, quando o vejo saindo vestido feito um andarilho, fico horrorizada... kkkkkkkkkkkkk.

    Beijos,

    Guta

    ResponderExcluir
  5. Andréa, minha querida!
    Eu já tinha lido esse fantástico conto de Veríssimo e, tipo assim, fiquei parada pensando nessa evolução e revolução desses tempos modernos... Eu tenho um pé nesse tempo passado e outro nesse moderno. É preciso, mesmo que não goste, se reciclar e estar por dentro dessa nova linguagem e forma de se comunicar. Abomino essas abreviações, amiga! hahahaha... Elas me deixam louca porque acho que é uma forma de assassinar esse nosso português que nunca foi lá tão compreendido e valorizado!
    Acho que seria interessante encontrar um meio termo nessa comunicação rápida de hoje (msn, orkut, facebook, twitter e tantas outras) sem que isso representasse nos absurdos ortográficos que vemos! Lamento muito, pois acho que essas gerações futuras é que perdem uma grande riqueza!
    Mas, tipo assim, vamos ensinar nossos filhos e fazer nossa parte, não é?
    Grande beijo, minha linda!
    Jackie

    ResponderExcluir
  6. Oi Iana.
    Verdade... eu adorei esse texto e o Veríssimo sabe o que diz rsrsrs.
    Obrigada pelo comentário e por seguir nosso blog.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olá queridassssssss !!!

    hahaha
    Bom, tipo assim cara, eu sou do tempo do fusca, Lp e telefone discado !! kkkk e olha, são lembranças maravilhosas !!!
    Eu hoje sou fã de tecnologia e se pudesse teria todos os apetrechos disponíveis !
    Mas acho lamentável certos aspectos da juventude de hoje, como a educação precária, tipo assim...kkk educação ao lidar com as pessoas, ao usar corretamente a língua portuguesa, etc... uma certa ausência de valores...
    Acredito que poderíamos sim, aproveitar a era cibernética, mas não era preciso pagar este preço... é bem possível conciliar os dois...bom, tipo assim...pra mim é, mas parece que para eles, não... :)

    Adorei !!! bela escolha, divertida e interessante !
    Beijosss meninas !! e boa semana !

    ResponderExcluir
  8. ah, Andrea, bem por ai mesmo! hahahhah.
    Escolheu um belo texto para expressar oq acontece na realidade com os jovens. E pensar q fomos jovens um dia...mas nao havia internet! rs.
    Muito obrigada pela visita no meu blog! Adorei seu comentario!
    bjos

    ResponderExcluir
  9. Queridas, isto é muito interessante mesmo!
    Sabe estes dias estava eu conversando com meus filhos, um tem 20 e outro 22. No meio da conversa, eu falei assim para eles "escuta , sera que nao dava pra vcs fazerem um dicionario das palavras que vcs dizem, porque mamãe não esta ententendo quase nada meus amores!!" Todos rimos! Mas isto é muito sério, não entendemos mais a forma de se expressar de nossos jovens! Isto precisa melhorar em casa e na escola...Desculpe a demora em tertibuir sua visita....
    Obrigada pela presença linda em meu cantinho, também estou por aqui...
    Apareça mais vezes la.....
    Muitos bjussssssssss
    Marly

    ResponderExcluir
  10. Amiga Regina, obrigado por linkar meu blog, fico realmente feliz com seu apoio, já linkei o seu blog.
    Unidos vamos vencer estes abusos que acontecem com os idosos.
    Novamente meu muito obrigado e parabéns por este belo blog.
    Abraço fraterno e Muita Luz em seu caminho.

    ResponderExcluir
  11. Olá Andréa,
    Veríssimo é simplesmente sensacional!!..rss
    Sabe, tipo assim, a gente tem horas que parece meio deslocado no tempo presente, não é mesmo!!?
    Mudou tanta coisa nas décadas recentes que ainda não tivemos tempo de uma melhor adaptação.
    Lembro-me com prazer de meu fusquinha e as músicas que adorava ouvir em LP...rs
    Às vezes fico nostálgico relembrando algumas coisas....mas que foram bons tempos é inegável!!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  12. Andréia, tipassim... fascinante esse texto do Veríssimo!!!!

    Concordei que a linguagem da garotada está diferente e quase intraduzível mas, cada época tem suas 'maluquices'!
    Quando eu era adolescente (não faz tanto tempo assim, não, 'tá? kkkkkkkkk), era um tal de dizer 'Lesgal!' (legal), 'É vândalo!'( qualquer pessoa que falasse um pouco mais alto) e 'boiola' (pois é, foi a minha geração 90 que criou essa 'preciosidade imprescindível' de ofensa aos homossexuais... rsrs).
    E vamos combinar que o filho do L.F. Veríssimo está coberto de razão em se assustar com o telefone de discar!
    Até eu, que alcancei esse 'treco', o odiava! ( Ficha de 'orelhão' então...)
    Esse tipo de linguagem 'esquisita' na adolescência é natural e passa, como tudo na vida.
    Acho que os pais fazem muito alarde com que os filhos dizem; e nós já não tivemos nosso 'momento rebeldia'????

    Beijos, amiga!

    Mary:)

    ResponderExcluir
  13. Oi Guta.
    Que bom receber a sua visita, seja bem-vinda.
    O que você falou é a pura verdade...me fez lembrar meu sobrinho que tem 9 anos e achou muito estranho quando eu falei que na minha infância eu não tinha computador, rimos muito pois, ele nem imagina a vida sem certas tecnologias , a conversa foi longa, engraçada e produtiva.
    As vezes nos parece confuso mesmo, mas existindo esse respeito mútuo que você se referiu, esse conflito de gerações nos beneficia com trocas de experiências.
    Tipo assim...essa galera mais jovem tem muito a nos ensinar também.
    Um beijão querida.

    ResponderExcluir
  14. Oi querida Fenix.
    Jackie, eu como não tenho filhos, meu maior contato com essa nova geração é com os meus sobrinhos, o mais velho tem 14 anos e nós dois mantemos uma relação de amizade muito legal, e isso só acontece porque eu tento na medida do possível rsrsrs, falar a mesma linguagem dele, aprender as gírias, saber das namoradinhas, etc... nesses momentos eu passo a ter 14 anos também e gosto disso.
    O resultado dessa proximidade faz com que ele as vezes também tenha atitudes de "gente grande" ao meu lado, essa troca é uma delicia...é amor puro.
    Acho que esse é um exemplo do meio termo que você se refere, meu sobrinho se comunica no MSN com os amigos de uma forma completamente ilegível mas, em contrapartida na escola a redação é excelente e a comunicação verbal muda completamente junto aos adultos.
    Como você falou...vamos fazer a nossa parte né?
    Um grande beijo amiga.

    ResponderExcluir
  15. Oi Marly- Mansagens abençoadas.
    Pelo seu comentário já deu para perceber que a sua relação com seus filhos é tipo assim...muito legal. Só o fato de você pedir um dicionário a eles e acabarem todos rindo disso, já demonstra que você faz a sua parte pois, mesmo na brincadeira você dá o seu recado com amor e isso acaba quebrando esse tal conflito de gerações.
    Eu acredito que o amor é a melhor receita sempre.
    Não se desculpe pela demora pois, com essa vida corrida as vezes também não dou conta de visitar e responder aos amigos com a rapidez que gostaria, o importante é que você esteve aqui e participou com esse lindo comentário, pode esperar que eu com certeza vou lhe visitar mais vezes.
    Obrigada pelo carinho e volte sempre...aqui os amigos sempre serão bem-vindos.
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  16. Oi Eli.
    Que legal ver você por aqui, sejá bem-vinda.
    Você tem razão, o Veríssimo consegue muito bem mostrar a realidade que caracteriza essa juventude atual.
    Eu bem que gostaria também de ter tido uma internet quando criança mas, mesmo sem ela me diverti e aproveitei muito.
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  17. Olá queridissima Sam.
    Você da época do telefone discado? Tipo assim... Fala sério garota! Com essa carinha de menina sapeca eu acho que você viu esse telefone em algum museu. kkkkk
    Agora sério...A juventude atual cresceu regida pelos bits e bytes do mundo digital e com isso eles teriam todas as armas necessárias para o bom uso de toda essa tecnologia que está e seus pés mas, infelismente a realidade nem sempre é essa.
    Um beijão amiga.

    ResponderExcluir
  18. Querida Mary!
    Você descreveu melhor do que eu poderia ter feito. kkkkkk tipo assim... . E o pior mesmo é quando a gente quer "enturmar" com a gurizada e larga uma gíria do tempo do "êpa", aí é cruel, principalmente quando o moleque vira e diz o que é isso "tia"? Ai arrasa geral, kkkkkk.
    Concordo que há um pouco de alarde mas, deixa quieto que eu nem vou contar nada dos meus momentos de rebeldia para não dar mau exemplo kkkkk.
    Um grande beijo e obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  19. Psiquismo desmistificado.
    Querido amigo!
    Realmente às vezes bate uma nostalgia de uma época mais calma e contemplativa!
    Hoje é tudo muito rápido e superficial, mas são os tempos modernos e felizmente guardamos doces lembranças do passado.
    Um grande abraço e obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  20. Olá amigo Ricardo.
    Nem precisava agradecer, pois esta é uma causa mais do que justa e que fala por si mesma de tão valiosa que é a busca por condições dignas a todo e qualquer idoso.
    Agradeço os elogios ao blog e também te desejo muita luz em seu caminho e um abraço fraterno.
    E pode contar que estarei sempre atenta nesta nossa luta!

    ResponderExcluir
  21. Oi querida! Muito obrigado por visitar meu blog e mais ainda por me seguir ,muito bom o seu ,belos posts parabéns e ja estou t seguindo também bjus.

    ResponderExcluir
  22. Oi Pri.
    Não é necessário agradecer, estou seguindo seu blog porque gostei muito dele, parabéns.
    Que bom você ter gostado daqui também, volte sempre...aqui os amigos sempre serão bem-vindos.
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  23. Olá Andréa! Bacana a proposta do seu blog. Textos interessantes! Porém , quanto a este texto "Tipo Assim", ele na verdade é de autoria do Kleiton Ramil, da dupla Kleiton & Kledir. O Kleiton tem um blog, mas também publica suas crônicas no jornal Zero Hora, onde o Verissimo também publica. Eis o link pro blog dele:
    http://blogdokledir.blogspot.com/2010/10/tipo-assim.html

    http://blogdokledir.blogspot.com/2010/11/tipo-assim-2a-parte.html

    Abraços,

    Flávia

    ResponderExcluir
  24. Querida Flávia agradecemos tua atenção e carinho em nos fornecer o verdadeiro criador deste texto ajudando a que possamos atribuir ao autor o reconhecimento devido e ainda nos brindar com um vídeo maravilhoso do Kleiton, que por sinal além de ser um belíssimo cronista e cantor agora percebemos que também é ator!
    Um grande abraço, obrigada pela dica e já estamos providenciando a correção.

    ResponderExcluir
  25. "Tipo assim" adooorei Flora! Sou do tempo do fusca (o do meu era vermelhinho, lindo!), do telefone discado (o meu era côr de gelo, bem sem graça) e do lp. Tenho peninha dessa garotada de hoje, eles foram premiados com tanta tecnologia, mas não sabem o que é a verdadeira brincadeira de criança como as da minha época. Bom demais!!!
    Obrigado pela visita ao meu blog, e pelas palavras carinhosas, a recíproca é verdadeira, pois o seu blog tambem é lindo e com ótimos posts, já sei que vou me divertir muito aqui. bjnhos.

    ResponderExcluir
  26. Oi Suely!
    Eu também sou de um tempinho mais antigo em que a gente namorava e não ficava..., em que “porra” era palavrão e não expressão usual,enque construíamos nossos brinquedos, costurávamos as cinco marias..., kkk.
    Mas enfim precisamos acompanhar os tempos e poder dar alguma contribuição para o crescimento desta nova geração.
    Um beijão e gostei muito do teu espaço!
    Agradeço a presença e seu carinho também!
    Flora!

    ResponderExcluir
  27. Há algum tempo atrás,permiti que meu afilhado,à época com 5 anos,entrasse no meu "refúgio" e fuça daqui,fuça dali,descobriu umas fitas vhs,que guardo como tesouro;expliquei o que era,para que servia e etc,ouviu tudo caladinho,deu mais uma olhada em tudo e "vazou".Dias depois em conversas,ele olhou para todos e disse:Deixa eu falar um pouquinho:Vcs não sabem mas,eu descobri:a madrinha viveu na era dos dinossaurus e está tudinho nuns cedesãos que ela tem guardado no escritório...

    ResponderExcluir
  28. Oi Clélia.
    É bem assim mesmo, as crianças de hoje podem não expressar com palavras como seu sobrinho fez, mas, todos eles acham que somos mesmo da era dos dinossauros rsrsrs. E com a velocidade de informações que eles têm nos dias atuais a coisa tende a piorar e nós a ficarmos cada vez mais antiquadas aos olhos desses pequenos.
    Obrigada pela participação.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós.
Participe.