domingo, 27 de março de 2011

Felicidade Realista – Crônica de Martha Medeiros

A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.
Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor?

Ah, o amor… não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando.
Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.
É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.
Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade.
Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.
Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.
Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.
Olhe para o relógio: hora de acordar.
É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente.
A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio.
Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se.
Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.

Martha Medeiros


15 comentários:

  1. Andréa,
    "Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno."...
    Talvez esteja aqui parte do segredo de eu me sentir uma pessoa feliz, malho quase todos os dias, mas nunca almejei ser a mais bonita ou a mais sarada, ou a que todos admiram; trabalho porque preciso mas optei por fazer o que gosto... ahhh!!! eo amor! amo todos os dias como se fosse o ultimo, nunca cobrei amor eterno, porque sempre acreditei no eterno enquanto dure; e se dura por longos anos é porque tem sido bom para ambos os lados.

    Lindo texto da Martha, parabéns pela escolha e partilhar.

    bjus

    ResponderExcluir
  2. Oi Kassya.
    Que bom ter você por aqui...
    Pelo seu comentário já se percebe que você sabe apreciar cada pequeno momento de felicidade e sem almejar os extremos.
    Que sua felicidade seja eterna.
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  3. ola minha rica
    bahhh sabia esta guria naum?
    beleza, dinheiro, amor e um pouco de sacanagem...
    acho q expor sua propria personalidade
    assumir seus limites
    viver um pouco e naum se prender ao basico
    ou ao extremo
    bem acho q esta é a regra do jogo ou melhor
    o bom mesmo é naum se ter regras

    bjim guria

    ResponderExcluir
  4. Olá Guria.
    Bahhh ...aqui as gurias lideram, três gaúchas em um só comentário rsrrsr, uma faceira muito simpática, uma escritora fantástica e uma tentando ser blogueira.
    A Martha é sábia mesmo, concordo...
    É verdade que seria perfeito não ter regras, mas já que elas existem que saiba-mos dosa-las com equilíbrio.
    Beijão.

    ResponderExcluir
  5. Vergo-me perante a clareza de seu escrito, e o equilíbrio emocional, que tanto a humanidade precisa.
    Vou divulgar no meu blog - psicanalisecom.blogspot.com
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Oi João.
    Obrigada pela sua participação.
    Você está coberto de razão, não é à toa que Martha Medeiros é uma poeta e crônista de prestígio nacional.
    Vale a pena divulga-la.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Martha alia sensibilidade, observação e vivência a seus escritos, por isso nos identificamos tanto com eles.
    Belo blog!
    Bjo e sorrisos verdadeiros na tua semana, querida.

    ResponderExcluir
  8. Andréa,

    Gosto dos textos da Martha porque ela transmite de uma forma direta uma reflexão mas não esquece da sensibilidade.

    Um Abraço

    ResponderExcluir
  9. Oi Marinha.
    Você acaba de fazer a síntese perfeita do que são as crônicas da Martha Medeiros, não tenho nada mais a dizer a não ser concordar com você rsrrsr, ela é nota 10.
    Legal você ter gostado desse nosso cantinho aqui... eu acabei de visitar seu blog e ele é lindo, parabéns.
    Um beijo e obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  10. Oi Fábio.
    Obrigada pela visita e por estar seguindo nossas noticias.
    Você tem razão, a Martha consegue escrever de uma forma simples, direta e sempre com muita sensibilidade ela consegue nos levar a reflexão.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Olá querida, parabéns pelas relfexões à cerca do tema abordado, achei muito interessante, gostaria de destacar a seguinte fala: "É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente".

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Oi Rangel.
    Legal que você gostou, na minha opinião a Martha Medeiros sabe de uma forma única nos levar a refletir, o que você destaca é importante mesmo porque não podemos nos escravisar buscando metas inatingivéis, e com isso esquecer as coisas simples também podem nos levar a felicidade que tando buscamos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  13. Nada melhor que Martha Medeiros! Sou apaixonado pelas crônicas dela. Esta em especial, tanto, que já postei algumas vezes no meu fotolog! Para descrever, ações, sentimentos e pensamentos! Adorei !

    ResponderExcluir
  14. Oi Italo.
    Somos aqui então 3 gaúchos(as) apaixonados por Martha Medeiros, ela é demais mesmo...escreve de uma forma tão simples e com tanta sensibilidade que acaba por nos tocar sempre de alguma forma.
    Acho que ainda não agradeci a tua participação aqui no que chamo de "nosso cantinho", tô adorando essa tua 1ª visita.
    Bjão.

    ResponderExcluir
  15. Eu moro fora do Brasil e acabei de conhecer atravez de uma amiga a sensibilidade e profundidade da Martha Medeiros. Obrigado, suas palavras chegaram em boa hora, esclarecendo e fazendo me repensar alguns valores!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós.
Participe.