segunda-feira, 7 de março de 2011

A Depressão: Quem tem x Quem cuida.

Esta tão falada, decantada, e até quase definida como a ultima moda nas rodas sociais, alem do prozac, é claro, pode ser definida no dicionário como: de.pres.são. f. 1. Ação de deprimir-se. 2. Abaixamento de nível. 3. Anat. Achatamento ou cavidade pouco profunda. 4. Abatimento (físico ou moral).

Mas nenhum desses conceitos retrata a verdadeira cara e dor que permeiam o estado depressivo do psiquismo.
Estar triste é viver um sentimento suportável e representativo possivelmente por algum tipo de perda ou dificuldades sejam financeiras, amorosas, sociais, ou até uma frustração profissional, etc.
Este sentimento de tristeza, já experimentado por todas as pessoas, muitas vezes promove a incompreensão para com o verdadeiro “deprimido”; Pois a tristeza requer uma aceitação da realidade, uma superação e muita ou alguma força de vontade para seguir a vida. As pessoas são estimuladas a reagirem, retomarem sua rotina e suas vidas, e continuar habitando este mundo da “normalidade”.
Já o verdadeiro deprimido, não tem como reagir aos estímulos e incentivos para se erguer, retomar a vida, reagir, aceitar a realidade e dar demonstração de força de vontade, etc. Pode até ser taxado de acomodado, preguiçoso, conformado com a “mamata” de não fazer absolutamente nada, e de nem ao menos exercer a simples tarefa de cuidar de sua higiene, ou as responsabilidades inerentes ao cotidiano. Às vezes é tido até como “vagabundo” mesmo!
Grande parte dos suicídios “bem sucedidos” é em alguns casos o resultado da falta de compreensão de que o individuo NÃO PODE; ao contrario da idéia de que ele NÃO QUER reagir.
Se um aleijado não pode andar e é obrigado a fazê-lo, o que pensara como alternativa? Senão a morte.., desaparecer?
Na depressão verdadeira o que sentimos é um vazio profundo, pesado e doloroso, em que a vida se reveste de desimportância e que o que mais queremos é “desaparecer” sair de cena, não ter a necessidade de estar vinculado aos padrões da normalidade que são exigidos pela sociedade, nem as pessoas e muito menos as obrigações e rotinas que não significam mais nada para nós.
Na depressão queremos silêncio e escuridão. Não nos interessa ter por perto ninguém...! Muito menos alguém dizendo: vamos tomar um banho? Quem sabe vamos pegar um sol? O que achas de arrumarmos o teu quarto? Queres que chame algum amigo? Porque não procuras mais o fulano ou beltrano...? Porque não come um pouco...? Ou porque não para de comer tanto?... E o pior..., Não te preocupes que logo, logo, vais retomar tua rotina! Esta é uma verdadeira “perola” para quando estamos deprimidos.
A questão principal é que a origem da depressão reside na ausência de substâncias químicas, que estão em falta em nosso organismo, e que precisam ser repostas visando o equilíbrio físico, e só para “depois”, começarem os incentivos para a reação.
Quem nunca se queimou tem dificuldades para avaliar e compreender o que seja a dor de uma queimadura. E nem precisamos nos culpar por isto.
Mas, também, quem nunca experimentou a verdadeira depressão tem dificuldades para compreendê-la.
Quando alguém está triste, estimulamos sua reação. Quando alguém está deprimido, procuramos poupá-lo de qualquer responsabilidade ou compromissos, e inclusive cuidamos das tarefas que deveriam ser feitas por ele, pois assim aliviamos a pressão que nós os deprimidos sentimos, enquanto estamos vivendo esta fase, em que qualquer pequeno gesto ou atitude representa um esforço absurdo e incalculável. Quando estamos verdadeira e profundamente deprimidos, necessitamos de aceitação, cuidados e proteção como se fossemos ainda crianças. Não devemos ser exigidos a agir com responsabilidade como adultos, até é claro, que as medicações comecem a fazer efeito. E assim começar a agir como crianças em crescimento que devem ser estimuladas, aos poucos, a assumir suas vidas.
Mas pelo lado dos cuidadores de um deprimido, também é preciso haver compreensão e tolerância. Acompanhar alguém assim não é uma tarefa nada fácil, pois para quem esta de fora o sentimento de impotência e as inevitáveis culpas são avassaladoras. E se o “vivente” chega então a cometer o suicídio, aí é arrasador mesmo! É culpa para o resto da vida! O que não deve ser tomado como verdadeiro.
Pois quando alguém esta verdadeira e profundamente decidido a se matar, não há Cristo que o impeça. A vida torna-se um beco sem saída e a luz do fim do túnel não passa de um trem que vem em nossa direção, jamais será visto com esperança. E o suicídio pode ser comparado com a atitude irracional e desesperada de alguém, por exemplo, que esta em um edifício em chamas e que de alguma forma crê que pode ser libertada da dor, saltando para fora.
Acontece que quando estamos deprimidos, nosso estado não é normal e sim psicótico ou cotidianamente falando, fora de uma realidade normalmente conhecida pela maioria das pessoas. E interiormente vivenciamos muita raiva que pode ser dirigida para nós mesmos e nos agredirmos, ou lançada para o exterior, quando agredimos quem está fora. Existe uma ambivalência acentuada, temperada principalmente pela tão infeliz existência da CULPA, em que nos sentimos um nada, um zero a esquerda, um monte de detritos, etc. E esta sensação nos leva a uma condição extremamente critica sobre nós quando esta voltada para dentro, o sobre os outros, quando esta dirigida para fora de nós. E nestes casos não é incomum e até é compreensível que quem esteja cuidando da pessoa deprimida, por mais que a ame, possa também sentir raiva dela.
Infeliz ou felizmente, vai se saber? Tive a experiência de acompanhar o deprimido e vivenciar a depressão. Assim que compreendo a dor e sofrimento dos dois lados.
Quando cuidamos..., sofremos intensamente por vermos alguém amado, que anteriormente estava feliz, produtivo, inteligente e criativo, transformado em, porque não dizer, um verdadeiro vegetal, um nada, mas alguém que sabemos estar em estado de sofrimento e muito pouco podemos fazer a não ser esperar que as medicações façam efeito e que sejam realmente adequadas para fazerem o efeito esperado, o que nem sempre acontece.
Quando estamos deprimidos a situação muda bastante de figura. Esquecemos e nem poderíamos lembrar o que é cuidar de alguém como nos encontramos neste momento. A racionalidade desaparece, a compreensão foge e a esperança e entusiasmo são atributos completamente inatingíveis. Perdemos completamente a noção, e só queremos ser esquecidos, deixados de lado, implorando para não sermos perturbados ou exigidos para o que quer que seja. Queremos não estar, não ser, enfim não viver... E nosso sonho de consumo é dar o prefixo e sair do ar, ou seja, morrer mesmo!
Assim, que concluindo, a depressão representa um grande e dolorido desafio para quem a vivencia e para quem a acompanha. Sendo fundamental a busca e acompanhamento de um profissional.
E quanto a este profissional também é muito importante nos sentirmos acolhidos e seguros. Do contrario é melhor trocar de terapeuta! Esta história de resistência ao tratamento, e blá, blá, nem sempre é aplicável e certas realidades, pois pode ser que este profissional simplesmente não sirva, que não se encaixe conosco. Aí trocamos! Só não podemos é ficar sem um bom acompanhamento.
E espero sinceramente, de alguma forma, ter ajudado alguém que esteja do lado deprimido ou do cuidador do deprimido.
Sei que este tema é muito abrangente e que haveria muito mais a compreender. Mas este já é um começo.
Autora: A luz e a sombra

29 comentários:

  1. Muito bom seu Blog.
    estou te seguindo ta
    se quiser seguir o meu agradeço
    tenha uma Boa Tarde.
    sucessoooo!!!!
    http://cocacoladownload.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Amei o seu blog... são temas que me fascinam!! Parabéns e obrigada por me seguir!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Virginia.
    Que bom que gostou, seja bem-vinda.
    Acho que todo e qualquer tema que trata do comportamento humano é fascinante mesmo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Andréa, entrega a chave da casa para ela!!! O texto ficou muito bom, muito bem escrito e mesmo sendo longo não foi uma leitura cansativa, ao contrário foi gostosa. E quem sou eu para falar de textos longos (reclamaram discretamente hoje), bom, e daí, é o texto e pronto(to mudando de assunto). Gostei muito Luz e Sombra, meus parabéns!!!
    GRANDE abraço para as duas!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ademar.
    A chave já está entregue e tenho a certeza que em boas mãos, concordo contigo a minha parceira escreve muito bem e está de parabéns.
    E aguarde... ela está só começando, quando pegar o gostinho virão muitos bons textos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ademar, nem te conheço e já te sinto um amigo, companheiro e sincero. Obrigada pelos comentários, de coração! E já estive em teu Blog e creia-me que é um banho de bola e você é dez!, como parceiro e como humanista. Abraços carinhosos e agradecidos.
    Espero honrar esta "chave".

    ResponderExcluir
  7. ola guria
    bem eu num consigo entender o estado de ser de estar depressivo mas como tu descreveste maravilhosamente bem
    acho q este lance de culpa de tristeza é algo q muito de nos ainda num consegue administrar muito bem e confesso quero passar longe deste doloroso desafio

    bjim minha rica

    ResponderExcluir
  8. Querida Guria Faceira.
    Você passa mesmo a energia de ser faceira e também muito amorosa. Obrigada pelo elogio ao texto, o que recompensa meu esforço para passar esta compreensão a quem teve a felicidade de não saber o que é viver este desafio. Certamente não precisaras passar perto dele.
    Um abraço agradecido, guria.

    ResponderExcluir
  9. Olá Amiga!
    Obrigado por seguir meu blog, a sua opinião e seu comentario serão importantes, para servir de incentivo.
    Escolhi esse tema Depressão, para colocar meu comentário, porque eu tive depressão, não cheguei ao estado profundo, porque procurei ajuda logo no inicio, hoje graças a Deus, e ao tratamento espiritual e ao tratamento médico estou praticamente curado.
    A depressão se não for logo tratada no inicio pode levar a pessoa a morte.
    Achei muito bom esse tema.
    Meus parabéns.
    Paulo Boarro.
    http://boarro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá Paulo.
    Desculpe a demora em te dar um retorno.
    Eu fico muito feliz que tenhas gostado do tema e que saiba bem como podemos nos sentir quando estamos em um estado de depressão. Certamente esta experiência porque passastes e que graças a Deus está superada, deve ter servido para ajudares a muitas pessoas.
    Obrigada pelos parabéns e fiques certo de que estarei te acompanhando.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Saudações!
    Amiga FLORA:
    Com sinceridade, eu sou um apedeuta nesta matéria. Gostaria muito de conhecer um pouco das razões que levam algumas pessoas e amigos a passar a viver dessa maneira. Digo razões, porque eu acho que ninguém elege um trauma doentio em sua vida de forma espontânea, assim, eu chego à conclusão que existe uma origem no qual a vítima foi levada a passar a viver desse modo.
    A sua matéria, para mim, é muito profunda e como você bem disse no final, é muita abrangente.
    Parabenizo-a pelo sacrifício da elaboração da pesquisa para nos apresentar mais um texto de qualidade e conteúdo.
    Abraços,
    LISON.

    ResponderExcluir
  12. Olá minha querida amiga Flora!!!
    Minha amiga, essa doença é terrível, se não cuidada e medicada pode levar à morte por suicídio... tenho alguns amigos que foram acometidos por este mal, o tratamento é rigoroso e prolongado.
    Parabéns pela excelente postagem, vai ser de grande ajuda para quem esta caminhando para este mal!!!
    Tenha uma noite maravilhosa e abençoada!!!
    Beijos e muita paz!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ore por mim preciso de ajuda. Deus te abençoe sempre.

      Excluir
  13. Querido amigo Lison!
    Realmente a pesquisa, por ter sido dentro de meu eu, e dos que me cercaram como familiares e pacientes, foi extremamente difícil e dolorosa.
    A depressão doentia é uma doença hereditária que necessita medicação para reequilibrar a nossa química interior.
    E infelizmente quando é tratada como falta de força de vontade é que pode aumentar os riscos do suicídio.
    Obrigada pela participação e carinho de sempre.
    Beijos e belo final de semana e dia dos pais.

    ResponderExcluir
  14. Doce Flora, minha querida amiga!

    Seu texto é completo, não tenho muito a acrescentar...
    Bem, o que posso dizer, que só quem vivenciou a verdadeira depressão é que sabe o quanto é doloroso acordar todos os dias!
    Causa mágoa o gorjeio dos pássaros pela manhã, anunciando a felicidade de um novo dia, enquanto só imaginamos como será que encararemos aquela torrente de vida que nos chama para a luta, mas nosso íntimo se encontra em total desespero!
    Sei e vivenciei cada vírgula que você escreveu, por isso, minha total identificação.
    Digo que SOMENTE a auto-estima pode reerguer-nos do caos interno!
    O tratamento medicamentoso se faz necessário em muitos casos e não deve ser desprezado, mas o principal é o trabalho mental para a reconstrução.
    Não adianta amigos, familiares dizerem que vai passar, se a pessoa com o problema não acredita nisso.
    Paradoxal, como quase todas as doenças, a depressão também se apresenta assim: apesar de haver a necessidade de muitas pessoas à volta para o incentivo, somente o paciente, estimulando-se para a melhora internamente, é que poderá se curar total ou melhorar bastante.

    Beijos, minha amiga!
    Um post muito importante; vou indicá-lo!
    Obrigada por compartilhar!!!!

    Mary:)

    ResponderExcluir
  15. Querido e sempre humano amigo Pirollo!
    Obrigada pelo comentário e espero como você ter podido ajudar algumas pessoas.
    Muito se fala sobre fé e ela é indispensável em nossa vida.
    Mas quando falta a medicação e a depressão se instala, esvazia-se o espaço precioso da fé!
    Desejo também uma noite abençoada e maravilhosa para você.
    E um especial abraço pelo dia dos pais.
    Beijos e obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Minha linda e brilhante amiga Mary!
    Tuas palavras só enriquecem o tema, pois tens razão quanto à importância da participação pessoal através de autoestima. Algumas pessoas por própria personalidade conseguem lidar melhor com esta dor e outras não.
    Por isto a importância de sempre estimularmos as qualidades de todas as pessoas e apontar sua dificuldades com o coração cheio de ternura e verdadeira intenção de ajuda. E isto sei que fazes como maestria.
    Obrigada pelo carinho e apoio.
    Beijossssssssssssssssss e excelente fim de semana.

    ResponderExcluir
  17. realmente.
    a depressão é uma doença que requer cuidados importantes.... ótimo texto.
    abs

    ResponderExcluir
  18. Ana Lucia!
    Obrigada pelo comentário e apreciação do texto.
    abraços e ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  19. Olá Flora querida.
    Um texto muito bem escrito.
    De suma importância e muito esclarecedor.
    Muitas pessoas atualmente sofrem de depressão, eu conheço algumas!
    Temos que ter conhecimento do assunto para ajudar a pessoa a se superar!
    Parabéns pelo tema e a riqueza de detalhes abordados no artigo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Alba Querida!
    Obrigada por prestigiar o texto.
    A depressão realmente é uma grande fonte de dor, mas também de inspiração para muitos artistas sensíveis, pois ela permite uma experiência inigualável no estado do “estar e não estar”, de “ser e não ser” na própria pele!
    Não é por acaso que uma grande gama de pessoas sensíveis nos surpreende com o abandono da vida e da qualidade de vida.
    Agradeço afetuoso comentário.
    Beijossssss e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  21. Olá queridíssima amiga !!

    Maravilhosa postagem, muito relevante e esclarecedora !
    Sei bem o que é isso pois já entrei em depressão.
    No começo não entendia bem o que estava acontecendo comigo, de repente fui ficando agressiva e descontando minha raiva nos que eu mais amava, tudo estava ruim e eu me sentia sufocada e desanimada... depois comecei a me sentir um robô, por ter um senso de responsabilidade muito grande e saber na época que mais pessoas dependia do meu ganho, eu continuava indo trabalhar feito um zumbi, mas cada vez mais confusa e sufocada.
    Até que chegou um ponto onde eu não achava mais graça nem beleza, nem alegria em nada.. então decidi procurar um profissional antes de ficar maluca.
    Quando cheguei lá, foi que soube que estava em depressão profunda, e o tratamento me ajudou muuuuito, não só a sair deste quadro como me ajudou em outras questões pessoais também.
    E como você disse, a escolha do profissional é super importante ! Temos que nos sentir á vontade e é preciso uma relação de confiança muito grande. Eu recomendo, existem sombras em nosso interior que por mais que nos esforcemos, demora e é confuso, um profissional pode nos ajudar com mais eficiência e rapidez ;)

    Adorei ! Parabéns pela iniciativa de ajudar as pessoas tocando neste tema tão importante !
    Um mega beijooooooooooo e bom findi !

    ResponderExcluir
  22. Ola ,
    Gostei Muito do Conteudo do Seu Blog , do ponto de vista de quem (sofre e conhece) o assunto eu respeito e elogio !!! Meus parabens !!!
    Tambem escrevo ( começando agora ) Sindrome do Panico e é Claro que este leva a depressão pois vc se acha o ultimo dos inuteis do Mundo , se quiser trocar uma idéia tenho 29 anos neste ramo Depressão & panico versus EU , mas não me derrubaram ; de uma espiada no meu Blog :

    http://transtorno-panico.blogspot.com

    Paulo Tidra

    ResponderExcluir
  23. Oi Flora,
    Nossa, já passsei por isso e não sabia como ajudar.
    É uma senssação de impotência muito grande. Ver a pessoa em sofrimento e não saber o que fazer.
    Hoje está tudo sob controle e o tratamento está dando certo.
    Ajudou muito minha querida.
    Obrigada por compartilhar.
    Bom final de semana.
    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  24. Querida e terna amiga Sam!
    Infelizmente estes episódios depressivos são desestruturantes e dolorosos, mas sem eles não reconstruiríamos uma nova pessoa!
    Se observarmos as pessoas que mais sofreram física ou psiquicamente, mas de boa índole e certo grau de maturidade e altruísmo são as que apresentam maior compreensão e aceitação da vida e das pessoas.
    Como tudo na vida podem crescer ou diminuir dependendo de nossa essência.
    E pelo teu relato percebemos a maravilhosa pessoa humana e atente que és apesar deste sofrimento.
    Obrigada por abrilhantar meu texto com tua experiência.
    Mega beijossssssssssssss e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  25. Querido Paulo!
    É com grande prazer que recebo teu comentário e principalmente tua mensagem de determinação e luta.
    Obrigada pelo carinho e comentário tão despojado.
    Estive em teu espaço e gostei muito, estas de parabéns.
    Beijos e sucesso nesta jornada.

    ResponderExcluir
  26. Beth querida!
    Obrigada por valorizar o tema com teu comentário.
    Esta é realmente uma vivência muito difícil e um verdadeiro desafio.
    Entendo que um dos piores fatores é o de ser uma doença “invisível”, diferente de uma cardiopatia, fratura, ou tantas outras doenças físicas, o que dificulta em muito sua compreensão e descoberta de ajuda.
    Beijsssssssssss

    ResponderExcluir
  27. Quem tem e quem cuida... Interessante a colocação, mas nem deveria me surpreender, já que vem de você, minha Querida... Tão inteligente e sensível!

    Um assunto tão delicado e controverso deve ser encarado por vários ângulos e você fez isso com maestria. O que falta é um entendimento muito mais aprofundado do ser humano em si, pois é aí que tudo começa...

    Lido com isso há muitos anos, com todas as variáveis que se possa imaginar e garanto-lhe que estamos engatinhando em busca de respostas, já que as que existem tratam de generalizações e esquecem o individualismo, não por incompetência nem descaso, mas porque para a grande maioria são caminhos não trilhados e obscuros...

    Caminhos estes que poucos são capazes de perscrutar e que levam a dimensões que nem imaginávamos existir.

    Nossa complexidade é tamanha que buscamos nos problemas de outros respostas para nós mesmos e nos decepcionamos ao perceber que nem encontramos as nossas, nem trouxemos a solução para outros. A frustração faz parte de nosso dia-a-dia.

    Enfim, algumas respostas existem, não todas. Mas o que importa é nunca esquecer que acima da mulher, do homem, do cristão, ateu, acima das opções sexuais ou pseudo desvios de conduta comportamentais, existe uma alma que sofre com as limitações de um corpo e que nossa função, principalmente como seres humanos é abraçar a cada um que precisa de um amparo, de compreensão e guarida e mostrar que não está sozinho...

    O ELE de hoje pode ser o EU de amanhã, não esqueçamos!

    Um beijo em seu coração e muita luz e paz para todos!

    ResponderExcluir
  28. Querido amigo Cigano!
    Só posso agradecer esta linda contribuição e reflexão sobre um tema tão sensível a todos nós.
    E este enfoque que nos brinda com relação a uma alma que sofre com as limitações de um corpo é muito pertinente principalmente do ponto de vista de crescimento como entes integrantes do universo. E que como tal padece com a pequenez e finitude do dia a dia e da realidade cultural e social em que esta inserida e sua universalidade ilimitada.
    O processo depressiva expressa bem este conflito entre ser pequeno e gigante, humano e divino!
    Certamente ainda teremos muito que aprender e evoluir e como bem dizes aceitar e amparar todos os que padecem sem olhar para rótulos sociais ou culturais que muitas vezes levam para o lado da descriminação e condenação.
    Mais uma vez te agradeço pelo carinho e sensibilidade com que sempre te expressas.
    Beijos em seu coração e também muita luz para todos nós!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós.
Participe.